CINDÔ

As histórias de Cindô eram memoráveis.

Era o mentiroso mais célebre do Rio Largo. Havia outros, como por exemplo Ismael – mas passava em grande vantagem ao nosso amigo maleiro. Uma delas é boa:

Ele foi caçar e depois de muito andar, sem nada conseguir para que valesse a pena, resolveu voltar para casa. Deu pela falta do relógio ao chegar em casa, mas fazer o quê?

Um ano depois resolveu ir à caça novamente e foi no mesmo lugar onde tinha um pequeno riacho. Abaixou-se para tomar um pouco d’água e ouviu um tic-tac. Pois não era o abençoado relógio que caíra na água quando ele havia atravessado o riacho?

E pasmem! O bicho estava trabalhando a toda força!

Anúncios

3 pensamentos sobre “CINDÔ

  1. Vale aqui uma “desatualização” tecnológica, na época dessa história os relógios eram movidos a corda, que duravam no máximo 1 ou 2 dias, acredito eu, pois na minha época os relógios a corda já eram automáticos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s